O sucesso e a importância das redes sociais em nosso dia a dia e nos negócios são inegáveis. Porém, às vezes, fica difícil fazer um planejamento de mídias sociais justamente pela grande variedade de conteúdos que elas têm a oferecer. Por isso, no post de hoje, vamos te ajudar nessa tarefa.

Há alguns anos, as redes sociais deixaram de ser um ambiente para a simples interação social, com compartilhamento de ideias e troca de likes entre amigos. Nelas, já é possível fazer compras, encontrar caronas, divulgar e apoiar projetos sociais, etc. Agora, elas se tornaram uma espécie de hub onde tudo está conectado e pode ser convertido em diversas outras ações.

Por isso, cada dia fica mais difícil realizar um planejamento sobre como atuar nas mídias sociais. O que seu negócio deveria oferecer lá? Em qual – ou quais – redes sociais você deve atuar? Aliás, sua empresa deveria mesmo estar nas mídias sociais? É difícil saber, não? Muitas vezes os dados provenientes de nossos clientes e personas não são suficientes para responder a estes questionamentos. Por exemplo, se sua carteira de clientes geralmente não utiliza redes sociais, mas sua empresa está prestes a lançar um produto/serviço que causará um tremendo buzz no mercado, mesmo entre aqueles que outrora não eram seu público principal, será mesmo que não faria sentido estar nas redes sociais?

O exemplo que damos aqui é apenas mais um entre muitos. Assim, além de conhecer seu mercado, seus clientes e seu público-alvo, é preciso entender quais interações as redes sociais geram e qual o impacto delas nos usuários que a utilizam todos os dias. E qual a melhor maneira de entender senão analisando os dados? Vamos lá!

Facebook

Vamos começar com a maior delas – e por uma boa margem. O Facebook é a rede social mais utilizada do mundo, com mais de 1,48 milhões de usuários no mundo todo. Só no Brasil, são 99 milhões de usuários ativos mensalmente em computadores e 89 milhões em dispositivos móveis. É número para ninguém botar defeito! Mas vamos às estatísticas:

Alcance orgânico: o Edgeank, algoritmo do Facebook que determina o alcance orgânico de publicações, atualmente permite um alcance orgânico de apenas 2% por publicação. É isso mesmo, a rede social de Zuckerberg cada vez mais quer que você pague pelo alcance patrocinado.

Alcance por audiência total: esse tipo de alcance é calculado pela média do alcance das publicações e o quanto elas representam do total de fãs das páginas. Atualmente, o número é de 10,71%.

O poder dos vídeos: os vídeos são os queridinhos da rede social e também a aposta de muita gente em 2017 (neste artigo falamos tudo sobre o potencial dos vídeos no Facebook). Eles chegam a gerar até 16% mais engajamento em relação às fotos, por exemplo.

Audiência por tipos de conteúdo: existe bastante diferença no alcance de cada tipo de conteúdo. Portanto, se você está tentando definir uma estratégia de conteúdo nas mídias sociais estes dados vão te ajudar. Em primeiro aparecem os Vídeos (12,17%), seguidos por Fotos (11,53%), Links (9,32%) e atualização de Status (5,09%).

Status: o status pode ser um bom conteúdo para apostar. É fácil de fazer e não demanda muito mais que criatividade. Além disso, pesquisas indicam que um status com até 40 caracteres é o ideal.

Post viral: esse é um dado que pode dar um nó na sua cabeça. A média de posts virais por fã é de 0,8% para posts com hashtags e 1,3% para posts sem hashtags. Isso mesmo, as hashtags na verdade podem atrapalhar o desempenho dos virais.

Post comum: posts com imagens costumam performar até 2.3x melhor do que aqueles sem nenhuma imagem.

Twitter

No ar desde 2006, a rede de microblogging já teve dias melhores. Mas, ainda assim, ela continua sendo uma das redes sociais mais utilizadas atualmente. O Twitter tem cerca de 310 milhões de usuários cadastrados e mais de 136 milhões o utilizam todos os dias. O desempenho da plataforma no Brasil é bom e, em 2016, a rede chegou a anunciar um crescimento de 139% em seus rendimentos no país.

Focado no imediatismo, o trabalho com o Twitter requer bastante criatividade e poder de concisão, devido ao limite de 140 caracteres por postagem. Assim, alguns números e estatísticas podem te ajudar a melhor definir seu planejamento de mídias sociais para a rede:

Imagens: opção indisponível nos primórdios dessa rede social, os tweets com imagens deram um boost no engajamento. Um tweet com imagem chega a ter até 18% mais CTR, 89% mais likes e 150% mais retweets.

SAC 3.0: o Twitter acabou se tornando a plataforma ideal para o SAC 3.0. Basta marcar a empresa prestadora de serviço e fazer um comentário, elogio ou reclamação. Empresas como o Netflix, por exemplo, fazem um bom trabalho de relacionamento com o público via Twitter e os resultados são bons para o consumidor e as interações engraçadas. Falamos tudo sobre essa tendência neste post. Atualmente, 60% dos usuários esperam que as empresas respondam a um tweet em 1 hora. Esse número está perto, pois a média atual das resposta é de 1h24min.

Tamanho do tweet: não dá para fugir muito aqui, afinal, o limite é 140 caracteres. Mas, na verdade, o tamanho ideal para um tweet bem engajado é 100 caracteres.

Melhores dia para tweetar: assim como outras redes que mostraremos aqui, o Twitter também tem um melhor dia para o engajamento e este dia é a quarta-feira, quando o CTR é mais alto.

Hashtags e menções: um tweet comum que não contenha # ou @ chega a gerar até 23% mais cliques. Porém, de acordo com a Quicksprout, tweets com # alcançam até 2x mais engajamento (ou seja, cliques, retweets, favoritos e respostas somados).

LinkedIn

Fundado em 2002 e lançado oficialmente em 2003, o LinkedIn é uma rede social voltada a negócios e a profissionais. Apesar de ter um número de usuários cadastrados menor do que as outras redes sociais deste artigo, esta é a mais voltada a fechar negócios e outras oportunidades.

Empresas que atuam no mercado B2B costumam alcançar grandes oportunidades de negócio na rede que, no Brasil, tem mais de 25 milhões de usuários. Por isso, alguns dados sobre o engajamento na rede podem gerar insights importantes.

Alcance para global: o Linkedin tem mais de 467 milhões de profissionais e empresas cadastrados em mais de 200 países, o que o torna a plataforma ideal para empresas que querem expandir sua atuação e distribuição de conteúdos mundialmente.

Imagens: segundo um estudo realizado pelo próprio LinkedIn, incluir imagens nos posts chega a aumentar os comentários em 98%!

Conteúdo: compradores B2B (profissionais responsáveis por fechar compras de soluções para as empresas em que trabalham) buscam informações sobre produtos/serviços/soluções no Linkedin e 57% fazem isso só no mobile.

Atualizações: compartilhar uma atualização, um texto, etc. sem um link pode ser um mau negócio. Atualizações com links chegam a ter 45% mais engajamento do que postagens comuns.

Tamanho do post: a regra dos tamanhos ideais de post também se aplicam no LinkedIn. Para o B2B, o ideal é de 16 a 25 palavras. Já para o B2C, o ideal fica entre 21 a 25 palavras.

Número de posts: páginas de empresas que fazem pelo menos 20 posts por mês chegam a alcançar 60% de audiência qualificada.

Pinterest

Criada para ser uma rede social de compartilhamento de fotos, o Pinterest se tornou mais do que isso: virou uma espécie de mural de inspirações, onde os usuários podem compartilhar e gerenciar imagens temáticas como hobbies, roupas, comida, frases inspiradores, etc.

Com mais de 150 milhões de usuários e escritórios em mais de 5 países – entre eles o Brasil –, a rede continua crescendo e aposta cada vez mais em novas tecnologias para beneficiar usuários e anunciantes. Recentemente, a plataforma anunciou três novos recursos que prometem revolucionar a maneira como as pessoas se inspiram e compram: Ideias relacionadas, busca pela câmera e Shop the Look.

Basicamente, o que acontece com a implementação desses recursos é que qualquer imagem (on ou offline) é ponto de partida para uma pesquisa e uma compra. Especialmente o busca pela câmera e o Shop the Look, que são deliberadamente voltados a isso. Por isso, é bom conhecer de perto como as interações acontecem nessa plataforma.

Ideias + Preços: pins (uma espécie de favoritos na plataforma) com o preços chegam a ter 36% mais likes que os outros.

Offline + Online: 67% dos usuários do Pinterest consultam a plataforma enquanto estão comprando em lojas (seja em busca de inspiração, seja para encontrar o produto que precisam).

Interação: pins com alguma Call to Action (CTA) na descrição aumentam o engajamento em 80%.

Marcas x Celebridades: ao contrário do que acontece em plataformas como o Instagram, a próxima na nossa lista, no Pinterest, 83% do usuários preferem seguir uma marca do que uma celebridade.

Frequência de pins: usuários que fazem pins de 15 a 30 vezes ao dia têm melhores resultados na rede.

Melhores horários e dias: das 14h às 16h e das 20h às 22h são os melhores horários para postar. Sábado fica como o melhor dia.

Instagram

Talvez a rede social para compartilhamento de fotos mais famosa do mundo, o Instagram tem um grande sucesso entre os brasileiros. Fundado em 2010, a rede teve uma carreira meteórica e, em 2012, foi comprado pelo Facebook por 1 bilhão de dólares.

Atualmente a rede conta com mais de 500 milhões de usuários que chegam a postar 95 milhões de fotos por dia e gerar 4,2 bilhões de curtidas. No Brasil, o número de usuários ativos é de 35 milhões e, com o lançamento de novos recursos como o Instagram stories, a rede vem se tornando foco de publishers que querem alcançar novos públicos.

O fenômeno do Stories: em poucos meses, o Instagram Stories já alcançou mais de 150 milhões de usuários e começou a ameaçar de pertinho a liderança do Snapchat no segmento.

Taxa de engajamento geral: a taxa de engajamento média para cada postagem é de 1.1%, semelhante ao que acontece com o Edgerank do Facebook.

A paleta de cores do engajamento: por mais estranho que isso possa parecer, um estudo descobriu que alguns padrões e cores de fotos parecem influenciar no engajamento. Fotos com apenas uma cor dominante geram 17% mais likes. Dentro desse padrão, fotos com a cor azul como dominante geram 24% mais likes que imagens onde o vermelho é predominante. Além disso, imagens com muitos espaços negativos (ou seja, aquelas fotos onde a imagem principal não ocupa todo o quadro) chegam a ter 29% mais likes.

Selfies: não tem como negar, as selfies reinam no Instagram e os números o porquê. As selfies recebem 38% mais likes do que outras fotos.

Fotos x Vídeos: apesar de o número de postagens de vídeos ter crescido mais de 13%, as fotos ainda geram cerca de 75% mais engajamento.

Hashtags: além de importantes para categorizar suas fotos, elas também são importantes para os negócios. Cerca de 70% das hashtags mais usadas são “branded”.

Marcas em peso: atualmente, 90% das marcas – especialmente aqueles que utilizam a metodologia Interbrand – estão no Instagram.

Frequência de postagem: a frequência ideal para perfis de negócios é varia de 11 a 20 vezes ao mês.

Melhores dias e horários: os dias com mais engajamento são as segundas e quintas-feiras, das 8h às 9h e depois às 17h.

Webcelebrities: a rede social também é uma das principais concentradoras de influencers. Então, se sua estratégia inclui o marketing de influência, você deve considerá-la. Considere também ler nosso artigo sobre o tema, vai te ajudar bastante.

Snapchat

Lançado em 2011, o Snapchat é o caçula de nossa lista. Ainda assim, ele não deixa de impressionar. A rede é uma espécie de comunicador baseado em imagens que desaparecem em tempos determinados.

Com mais de 150 milhões de usuários ativos diariamente, o sucesso do Snapchat só aumenta. No Brasil, em 2016, o número de usuários ativos cresceu 68% e a plataforma também está se tornando a queridinha dos publishers.

Mobile: no snapchat não há outro canal, afinal o conteúdo é 100% mobile.

Crescimento em 2017: a previsão de crescimento do snapchat para 2017 chega a ser mais impressionante que seu atual crescimento. Em 2016, a rede aumentou sua receita em US$366,69 milhões. Para 2017, a previsão é de um aumento de US$935,46 milhões!

A cara dos usuários: o público do Snapchat é bem definido e tem hábitos bastante interessantes. 70% são mulheres, 71% têm menos de 25 anos e 73% são “millenials”. Além disso, 40% dos usuários utilizam a função discovery diariamente, 45% postam um Snap Stories diariamente e 60% criam algum conteúdo na plataforma todos os dias. É uma das redes onde o usuário é mais ativo atualmente.

Tipos de anúncio: o Snap também traz as formas de anúncio mais inusitadas entre todas as redes sociais. Até agora são 3 tipos:

  • Snap Ads: vídeo de 10 segundos que aparece entre o feed dos seus amigos;
  • Geofilters patrocinados: filtros para fotos e vídeos que estão disponíveis apenas quando o usuário visita uma determinada localização;
  • Lentes patrocinadas: lentes que modificam as fotos ou que permitem que os usuários “brinquem” com elas e que têm a logomarca ou qualquer outra forma de divulgação determinada por quem patrocina.

Melhores práticas: como todas as outras redes, o Snap também tem uma série de boas práticas para quem busca aumentar o engajamento nele. Algumas destas práticas são:

  • Torne seu perfil público: fazendo isso, seu perfil poderá ser encontrado por todos e seu alcance será maior;
  • Snapcode customizado: customizando seu snapcode, fica mais fácil de seu perfil ser identificado e adicionado a um círculo de amigos;
  • O que as marcas mais usam: marcas usam o Snapchat de maneira criativa, criando concursos, cupons, bastidores, etc;
  • Tamanho ideal: o tamanho ideal de um Snap fica entre 5 e 15 segundos e de um Story entre 1 e 2 minutos;

Crie seu planejamento de mídias sociais

O que vai determinar em quais redes sociais você deve atuar é sua estratégia de marketing. Porém, esperamos ter ajudado com seu planejamento de mídias sociais com estes dados.

Ficou com alguma dúvida? Deixe nos comentários! Ficaremos felizes em respondê-los.