Você sabia que 97% dos consumidores online não efetuam compras na primeira vez que visualizam um produto? Partindo dos dados gerados pelo Google Adwords  é que se deve começar a cogitar fazer campanhas de remarketing  e assim, deixar de perder vendas!

O conceito de remarketing (também conhecido como retargeting) é reforçar ao consumidor o fato de que ele não deve perder a oportunidade de realizar determinada compra. O meio utilizado para isso é fazer com que o produto que ele “namorou” anteriormente marque presença em sites que ele habitualmente navega (os grandes portais, por exemplo).

Dessa forma, muitos desses targets ficam confusos, pensando que o fato de sempre se depararem com determinado produto provém de uma força maior. O que acontece nada mais é que o remarketing em ação, tentando atrair o cliente com base nas informações dele coletadas — por meio dos cookies.

Agora que explicamos brevemente para que serve o remarketing, assim como no que ele pode ser útil para seu e-commerce, daremos algumas dicas valiosas para que se obtenha êxito com essa poderosa estratégia.

1. Aumente os lances para listas de maior potencial de conversão

Usar para sua campanha listas sem critério algum pode ser prejudicial para conseguir maior retorno sobre investimento, pois você pode estar destinando recursos a um público com baixo potencial de conversão e deixando de alcançar aqueles que têm mais chances de realizar uma compra.

Portanto, analise que tipo de produto gera mais venda e os respectivos usuários que visitaram os anúncios, mas que deixaram a página antes de comprar. De forma ordenada, elabore listas formadas por quem concretizou a compra de produtos mais lucrativos e assim por diante, criando uma espécie de funil.

Em seguida, dedique lances mais altos aos usuários mais propensos a gerarem conversões e valores mais baixos aos de menos potencial de compra, assim sua estratégia será mais econômica e competitiva.

2. Estabeleça limites de visitas diárias

Restringir o número de vezes que um target é exposto aos anúncios é uma prática que evita que haja visitas desnecessárias, implicando em um maior CPA (custo por aquisição) — o que não é interessante para a sua empresa.

3. Foque em pessoas que adicionaram itens ao carrinho de compras

Essas pessoas chegaram muito perto de se tornarem clientes de sua loja, portanto, reconquistá-las o quanto antes é uma ideia promissora.

Na prática, será preciso criar uma lista de pessoas que adicionaram algum item no carrinho e outra para aquelas que confirmaram um pedido. Feito isso, crie uma lista personalizada para alcançar somente as pessoas que não passaram pela página de “confirmação de pedido” e, então, os anúncios serão direcionados aos que quase compraram.

4. Evite anúncios genéricos e invista na personalização

Ainda chegará o momento em que anúncios e CTAs (call-to-action) genéricos e defasados passarão a chamar a atenção de mais ninguém, afinal, esse tipo de abordagem tem se mostrado cada vez mais obscura ao usuário, reduzindo a zero qualquer perspectiva de encontrar uma boa oferta.

Se as pessoas de sua lista visitaram o site para consultar preços de TVs, produza um anúncio atraente com a tela dos sonhos delas acompanhado de um CTA infalível!

5. Faça cross-selling e up-selling

Essas duas práticas consistem em direcionar anúncios personalizados a consumidores que já efetuaram uma compra, ofertando-lhes um produto complementar ao já adquirido (cross-selling) ou propondo que compre, por um valor adicional, um produto de maior qualidade (up-selling).

Para ter sucesso com essas táticas basta seguir o raciocínio lógico. Por exemplo: se o cliente comprou um videogame, é natural que ele se interesse por games e acessórios. Sendo assim, haverá espaço, também, para ofertar um produto de maior valor que se mostre mais interessante — use as opiniões de clientes para reforçar a credibilidade.

Deseja ler outros artigos como esse, além de outras novidades acerca do marketing digital? Acompanhe nosso blog e fique por dentro das últimas novidades!