É unânime: a Black Friday 2017 é a data mais esperada do ano, seja pelos consumidores, seja pelos lojistas. No Brasil desde 2010, o evento, que acontece sempre na última sexta-feira de novembro, já se consolidou com os consumidores e deve ter um faturamento 20% maior neste ano, chegando a R$2,2 bilhões.

Além de um bom crescimento esperado, a Black Friday 2017 deve seguir algumas tendências que foram destaque em 2016, como o aumento do mobile no share de compras e um tíquete médio ainda maior. Mas, antes de apresentar as projeções para a data deste ano, que tal recapitularmos como foi a Black Friday 2016?

Os resultados da Black Friday 2016

Segundo o ebit, acompanhando a crescente constante dos últimos anos, a Black Friday do ano passado faturou R$1,9 bilhões somente no e-commerce. Foram 2,92 milhões de pedidos realizados, com um tíquete médio de R$653.

O destaque da última edição foi o mobile, que representou 20% das compras online feitas no período da Black Friday. Este percentual representa R$380 milhões do total das vendas online e já mostra a importância dos dispositivos móveis no share de receita do evento.

Com os e-commerces investindo pesado para melhorar a experiência do usuário nos dispositivos móveis, com desenvolvimento de apps e Landing Pages responsivas para estes dispositivos, o resultado foi extremamente positivo e o tíquete médio de quem comprou pelo smartphone ou tablet foi 20% maior do que o obtido via desktop, alcançando R$753. Grande parte desse valor foi alavancado pela venda de produtos com maior valor agregado, como celulares, eletrônicos e linha branca.

Devido o grande sucesso da Black Friday nos últimos anos, ela está cada vez mais se tornando um evento amplo, incluindo novos setores e não apenas o varejo. Essa é uma das tendências para o futuro da data.

O que esperar da Black Friday 2017?

Para 2017, as projeções da Black Friday são extremamente positivas. Além do aumento de 20% do faturamento (R$2,2 bilhões), a confiança do consumidor nas lojas e marcas que participam da ação também voltou a subir.

Segundo a pesquisa “Thank God It’s Black Friday 2017”, realizada pelo Google, a perspectiva de crescimento para a Black Friday alcança todos os pontos de interesse do mercado. A perspectiva de democratização da BF para todos os setores, e não mais apenas o varejista, também tem se concretizado.

Intenções de compra

Com a popularização acelerada dos descontos e da publicidade destinada à ação comercial, a Black Friday caiu no gosto dos brasileiros. Muitos, até, se preparam durante todo o ano e acompanham a variação de preços dos produtos que pretendem comprar justamente na Black Friday.

A parcela de consumidores que pretendem fazer compras na Black Friday 2017 é de 68%, maior que os 61% que afirmavam ter interesse em comprar algo na data em 2016. O aumento das intenções de compra, apesar de discreto, é um bom sinal especialmente considerando as instabilidades políticas que têm rondado a economia nos últimos meses.

Consumidor preparado para comprar na Black Friday

Além do aumento das intenções de compra, o consumidor está cada vez mais preparado para comprar na Black Friday. Ainda segundo o relatório do Google, o tempo médio de pesquisa antes do consumidor realizar a compra chega a 16 dias.

O número de pesquisas por preço e promoções da ação, no dia da Black Friday, também dispara e a expectativa de crescimento é de até 46% em relação ao ano passado. Esse movimento é natural e acompanha a tendência do consumidor super informado e preparado para fazer compras online, afinal, cerca de 71% dos internautas que participaram da pesquisa já compraram em alguma Black Friday anteriormente.

O principal fator que influencia na hora da compra ainda continua sendo o preço, mas outras variáveis passaram a figurar a lista de influência do consumidor:

A confiança do consumidor nas lojas ou nas marcas que pretende comprar, apesar de figurarem no segundo e terceiro lugares, tem ganhado muita importância. Especialmente quando consideramos que a fidelidade dos clientes vem aumentando, sendo que dois terços das compras realizadas na Black Friday de 2016 foram feitas nas mesmas lojas em que os consumidores já costumavam comprar.

Tíquete médio e formas de pagamento

Apesar de ainda não existir nenhuma estimativa oficial, o valor do tíquete médio deve acompanhar a crescente dos últimos anos e continuar a subir. Mais concreta, no entanto, são as formas de pagamento preferidas pelos consumidores para a Black Friday 2017:

As compras à vista dependem muito das condições oferecidas, pois tendem a crescer quando existe a opção de mais desconto com pagamento à vista no boleto (34% de interesse), por exemplo. No entanto, muitos lojistas têm evitado essa sobreposição de descontos justamente para evitar a prática de boletar as compras e nunca finalizá-las.

De Black Friday a Black Weekend

Há alguns anos a Black Friday tem deixado de ser um evento que acontece em apenas um único dia. Afinal, com consumidores mais preparados e cientes dos descontos oferecidos na ação, a tendência é que as compras da Black Friday 2017 comecem antes da sexta-feira e terminem bem depois do final de semana.

A expectativa é de que pelo menos 1 a cada 5 compras fechadas na data sejam feitas fora da data oficial em si.

O fantasma da Black Fraude

Marcada nos primeiros anos pela imagem da Black Fraude, quando muitas lojas costumam aumentar os preços dos produtos para depois oferecerem descontos fictício, agora a Black Friday entra em 2017 com cara nova e deixando essa imagem para trás.

Já no ano passado, o uso das hashtags #blackfraude e de comentários como “tudo pela metade do dobro” ficou na casa dos 8%. Enquanto que a maioria dos comentários (55%), foram positivos e cerca de 37% foram neutros.

Categorias mais procuradas

As categorias de produtos mais buscadas durante a Black Friday compõem um painel interessante dos hábitos de consumo do brasileiro. Apesar de os eletrônicos e informática ainda despontarem, novas categorias vão surgir com força na Black Friday de 2017:

As melhores práticas continuam valendo

Como você deve ter notado, algumas práticas que aconselhamos no ano passado continuam válidas. Afinal, novas estratégias são sempre bem-vindas (e estamos preparando um material exclusivo para você), mas em time que está ganhando não se mexe, não é mesmo?

O mobile crescerá com ainda mais força

Os dispositivos móveis estão caminhando para dominar a internet. Segundo o IBGE, o acesso à internet móvel cresceu mais de 155% e isso – além de outros fatores – tem levado o mobile a até ultrapassar os desktops em muitos segmentos.

Nas vendas online o m-commerce (o e-commerce mobile) ainda não superou os notebooks e computadores de mesa, mas já representa uma parcela significativa da receita gerada online. Em 2016, os dispositivos móveis representaram 19% das vendas e a previsão de crescimento para 2017 é de 26%!

Vendas via dispositivos móveis

O m-commerce tem muito potencial e que pode sofrer um boom e crescer exponencialmente sem aviso. Afinal, atualmente, mais de 85% dos internautas já estão acessando a internet via dispositivos móveis.

Dê atenção à velocidade de carregamento do seu e-commerce

Esse é um ponto que precisa ser verificado o ano todo, mas que ganha uma proporção muito maior durante a Black Friday. Ter uma boa velocidade de carregamento do site não somente durante a BF, mas também no período que a antecede é essencial para não perder vendas.

A taxa de abandono de sites que demoram até 3 segundos para carregar chega a 41%! Portanto, não adianta ter as melhores ofertas e otimizar suas campanhas se as páginas de destino acabam afastando os consumidores.

O impacto da demora no carregamento é tão grande que, segundo um estudo feito pela Shop.org em 2016, nos EUA, o prejuízo total de um site com o tempo de carregamento ruim pode chegar a até R$256 por visitante!

Diversifique as estratégias de marketing

Hoje em dia, já vivemos o momento em que quase 100% dos negócios mais relevantes do mercado nacional participam dessa data e na Black Friday 2017 não será diferente. Por isso, é preciso diversificar suas estratégias de marketing para marcar presença em todos os espaços.

Antes de Black Friday

Durante a Black Friday

Após a Black Friday

Tenha uma boa infraestrutura

Criar um senso de urgência em seus consumidores, oferecer-lhes descontos e condições especiais e trazer mais usuários para seu site durante a Black Friday são estratégias que perdem todo o valor se o site fica caindo toda hora.

Por isso, é bom analisar os dados das últimas Black Fridays que você participou e fazer uma estimativa de tráfego para garantir que seu site não será sobrecarregado e os consumidores não fecharão compras com você.

Dimensione sua infraestrutura para atender esse pico na demanda que a data proporciona para garantir mais lucros. Afinal, site fora do ar em qualquer época do ano é sinônimo de prejuízo e durante a Black Friday é ainda pior.

Garanta seu estoque

Todos sabem que, durante a Black Friday, é comum o estoque de alguns produtos se esgotarem rapidamente. A procura é sempre grande e, quanto melhor for o desconto, melhor será a venda desses produtos.

Porém, apesar de ser algo quase impossível de ser evitado, dá para atuar estrategicamente e conseguir maior receita com isso. Conhecendo  seu consumidor e analisando a fundo os produtos mais vendidos do seu site, é possível antecipar quais deles terão maior procura. Por isso, se o seu desconto for bom nestes produtos, talvez valha a pena aumentar o estoque e garantir que todos os seus clientes consigam o que estavam procurando.

Também é importante manter um track de informações precisas sobre seu estoque. Assim, você evita gastar com anúncios de produtos que já estão com os estoques esgotados.

Capriche no atendimento

Como disse Stan Lee, “Com grandes vendas, vêm grandes responsabilidades”. Brincadeiras a parte, o número maior de usuários no site também requer um atendimento ao cliente muito mais preparado.

Além de ter pessoas suficientes para atender o adicional de consumidores, também é importante otimizar os horários de atendimento, especialmente porque as compras na Black Friday brasileira tendem a começar já na madrugada da quinta-feira.

A maioria das empresas que participam da ação comercial já passou a dar uma atenção maior a esse ponto e, em 2016, o número de reclamações caiu 33%.

Fique atento às suas campanhas digitais

Suas campanhas merecem atenção durante todo o ano, mas, durante essa época, elas precisam de um carinho especial. Assim, execute o checklist abaixo e veja se está tudo redondinho para a Black Friday 2017:

1. Faça o backup das campanhas no Editor 

Durante a Black Friday, podem ocorrer inúmeras alterações na conta, principalmente de lances. É importante se prevenir e ter um backup da conta no Editor caso seja necessário desfazer todas as alterações.

2. Compre termos + Black Friday uma semana antes 

O volume de busca por “nome do produto” + “Black Friday” (ex.: Smartphone Black Friday) é bastante alto. Certifique-se de que você está comprando os termos para suas principais categorias.

3. Use o termo Black Friday em todos os anúncios e extensões 

Uma semana antes, use sitelinks com destino para hotsite com formulário, a fim de capturar usuários e impactá-los com campanhas de e-mail marketing e também RLSA para Search e PLA. IMPORTANTE: suba os anúncios e extensões pausados pelo menos uma dia antes para garantir que eles já estejam aprovados quando forem entrar no ar e evite surpresas.

4. Faça GSP para multiprodutos 

Escolha 6 produtos-foco da Black Friday e crie um anúncio de multiproduto em GSP, instigando a curiosidade no desconto do produto nesta data e enviando para uma Landing Page de cadastro para receber um alerta.

5. Customer Match 

Essa ferramenta do Google permite que você faça campanhas de Display, Youtube e GSP segmentadas apenas para sua base de e-mail, sendo uma ótima opção para trabalhar seu público mais fiel. Segmente por bases de e-mail mais quentes (usuários que já compraram duas vezes nos últimos 3 meses, por exemplo) e mais frias (usuários que nunca compraram) e adeque o lance conforme a probabilidade de compra.

6. Repense as vendas por boleto 

Todos sabemos que é uma prática bastante comum na Black Friday gerar o boleto e não fazer o pagamento. Claro que o boleto é importantíssimo, mas talvez valha a pena cortar o boleto para aqueles produtos que têm preço bom e baixo estoque. Esses serão esgotados mesmo sem a opção de pagamento por boleto e você não corre risco de cancelamento.

7. Fique de olho no estoque para pausar campanhas 

Essa é uma dica muito básica, mas não poderia ficar de fora. É importante traçar uma estratégia rápida de comunicação para pausar IMEDIATAMENTE aquelas campanhas para produtos indisponíveis. Cada centavo economizado pode ser realocado e trazer mais receita.

8. Rode campanhas de Display com conteúdo Black Friday 

Fazer campanhas de Remarketing 180 dias com conteúdo Black Friday com lances mais agressivos para usuários que já compraram no site. Para os novos usuários, segmente por aqueles que nunca entraram no site para impactá-los com o conteúdo Black Friday. É importante fazer esse tipo de segmentação para conseguir analisar os resultados pós-Black Friday e rodar a campanha com, pelo menos, uma semana de antecedência.

9. GDN + Contextual 

Alguns usuários já vivem mais a cultura Black Friday e começam as pesquisas pelo termo um tempinho antes. Uma campanha de GDN (Display) segmentada por palavra-chave e com configuração de público-alvo para usuários que pesquisam pelo termo Black Friday, ou têm interesse em páginas com conteúdos relacionados, deve trazer um tráfego mais qualificado e aumentar as conversões.

Invista no Omnichannel

O omnichannel está cada vez mais se tornando a norma do mercado. Com o consumidor cada vez mais multicanal, garantir a presença do seu negócio em todos eles é essencial para garantir que sua jornada de compra do cliente termine com a conversão em sua loja.

Por isso, vale integrar além de diversas soluções como os apps e sites capazes de integrar todos os canais em que sua empresa atua. Assim, além de ter mais chances de capturar a atenção do consumidor em quaisquer canais que ele prefira, você pode ainda faturar mais com a experiência do usuário diferenciada que o omnichannel proporciona:

  • Consumidores omnichannel costumam gastar até 40% mais em suas compras;
  • Mais de 40% dos consumidores que pesquisam por produtos online acabam fazendo negócio nas lojas físicas – portanto, sempre que possível, atue nas duas pontas da jornada;
  • No setor de moda e vestuário, 25% dos consumidores preferem comprar nas lojas físicas que oferecem a opção do e-commerce e também a comodidade de provar a roupa e levá-la para casa no mesmo dia.

A evolução da Black Friday em 7 anos

Não foi só a popularidade da Black Friday que cresceu com o passar dos anos: o faturamento da data aumentou exponencialmente nos últimos 7 anos. Quando desembarcou no Brasil, abertamente inspirada na ação norte-americana, a ambição era grande, mas o resultado ainda ficava longe dos obtidos atualmente.

Com sua origem nos Estados Unidos, a iniciativa foi tomada inicialmente por varejistas norte americanos para aumentar as vendas na sexta-feira pós Ação de Graças, um dos feriados nacionais mais importantes dos EUA. O nome, “Sexta-feira Negra”, em português, pode ter surgido ainda no início dos anos 1990 e era utilizado pela força policial para denominar a sexta-feira que abria as compras de natal e causava enormes congestionamentos e muito trabalho para eles.

Hoje, ela já foi incorporada por países como  como Austrália, Canadá, Reino Unido, Paraguai, Portugal e, claro, o Brasil. Os resultados aqui dispararam nos últimos anos:

Faturamento da Black Friday no Brasil (em R$ milhões)

Fonte: Folha de S. Paulo / ebit.

A tendência é que o crescimento continue acentuado nos próximos anos, então não é bom ficar de fora da Black Friday se o seu negócio quer aumentar o faturamento e ainda marcar presença no mercado.

A Black Friday vai mudar para setembro em 2018?

Ainda existe um impasse, mas essa proposta realmente foi feita. Impulsionada principalmente por lojistas do varejo físico, a proposta de mudança teria sido proposta para tentar diminuir o impacto que a Black Friday exerce sobre a margem de lucro das vendas do Natal.

Uma série de reuniões e encontros já foram realizados para discutir essa mudança e elas são encabeçadas pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). Nestes encontros, cerca de 60 representantes de entidades de diversos setores (inclusive o e-commerce, como a B2W, Via Varejo, Ebit e camara-e.net).

Com a nova proposta, a Black Friday deixaria de acontecer em novembro, como acontece nos Estados Unidos e na maioria dos países que adotaram a ação comercial, e passaria a acontecer na segunda quinzena de setembro.

Apesar da pressão dos varejistas físicos e do burburinho causado pela proposta, nada foi ainda foi decidido ou oficializado. Portanto, para a Black Friday 2017 a data se mantém. Se alguma mudança ocorrer, ele virá somente em 2018.

Preparado para a Black Friday 2017?

Deu para ver que a Black Friday deste ano promete grandes resultados, não é mesmo? Também ficou claro que, para extrair o máximo dessa ação, é preciso atuar de forma planejada e também estrategicamente.

Para ajudar você nessa tarefa, a Raccoon decidiu criar um material especial para a Black Friday de 2017 com as melhores práticas para o faturamento do seu negócio disparar em novembro.

Para não perder esse material, inscreva-se já em nossa newsletter. Ele será enviado primeiro por e-mail e quem sair na frente tem ainda mais tempo para se preparar!

Analise os dados da Black Friday corretamente

Analisar suas experiências com a Black Friday no passado é sempre uma boa estratégia para alcançar melhores resultados. Porém, é preciso fazer essa análise utilizando uma metodologia sólida. Para isso, o modelo de atribuição e o planejamento de mídias são essenciais!

Utilize o modelo de atribuição

Dizer que, para os anunciantes, estar presente em diversos canais é importante é chover no molhado. Fazer isso e conhecer o trajeto percorrido pelos usuários é uma obrigação. O problema é que muita gente ainda utiliza uma análise de performance dessas mídias muito obsoleta, atribuindo 100% da conversão à mídia final e considerando cada resultado isoladamente.

Planejamento de Mídias Digitais

Que o mercado digital está em franca expansão, e que é preciso se aproveitar disso para investir em mídias digitais, você já está cansado de saber. A maioria dos “especialistas” fala sobre a importância de estar na web, mas ninguém de fato discute um ponto crucial: como ser relevante no hiper-competitivo mercado digital?

Especial Black Friday 2017 Raccoon