De The Sims a Minecraft, a emergência do virtual como forma de simular algo como nossas casas e nossas vidas parece que desenvolveu uma necessidade cada vez maior de projetar nossas ideias, sonhos e desejos em algo que possamos visualizar. Algo que o mercado imobiliário demorou a perceber.

Essa projeção pode ser feita por peculiares bloquinhos e ferramentas, ou pode ser em super casas para receber festas e seus amigos online. Todos nós já perdemos pelo menos alguns minutos planejando e criando alguma construção em games. E pode apostar que, enquanto fazíamos isso, não sentimos como perda nenhuma.

Uma experiência pessoal bastante peculiar e relacionada à essa vontade de planejar, sonhar e de alguma maneira ver isso tomar forma aconteceu com minha mãe. Nos idos 2008, há quase 10 anos, ela costumava jogar The Sims para, segundo ela, “ver como vão ficar os jardins que eu quero em casa”. Ela não é arquiteta, não teve nenhuma educação formal no assunto, mas, de alguma forma, o jogo satisfazia a necessidade dela de poder ver como iria ficar um jardim antes de comprar as plantas e investir na instalação dele.

Com o passar dos anos, essa necessidade foi se transformando e cada vez mais a vontade de projetar e planejar nos é inerente. Jogadores de Minecraft de todas as idades, por exemplo, têm o hábito de criar e exibir construções exuberantes no jogo. Fazer isso é cada vez mais natural e abre uma oportunidade muito além do que se imagina para o mercado imobiliário.

A realidade virtual e o mercado imobiliário

Atualmente, construtoras já estão se aproveitando da realidade virtual para oferecer tours em seus projetos e empreendimentos que serão lançados. Fazer isso traz uma experiência inigualável para quem está à procura de um novo imóvel, mas também impõe uma grande limitação em relação à quem terá acesso ao tour de realidade virtual. Geralmente, para experimentar o recurso, o interessado já deve ser um comprador em potencial e ir até a construtora e/ou imobiliária em busca da experiência. Para quem quer fechar mais vendas, especialmente de empreendimentos e lançamentos, a ideia é atrair ainda mais gente e gerar mais leads de maneira eficiente.

É aí que o marketing digital entra em auxílio da realidade virtual. Oferecer a oportunidade do consumidor interagir com o produto da construtora em qualquer dispositivo pode ser a chave para atrair mais clientes. Vamos supor que você impacte, através de campanhas digitais eficientemente segmentadas, consumidores interessados em comprar seu primeiro imóvel e ofereça a eles um conteúdo interativo capaz de mostrar como será a propriedade que seu negócio está oferecendo. Isso pode acontecer de várias formas, mas o importante é oferecer a oportunidade de interagir com o empreendimento.

Hoje, 90% das buscas por imóveis começam na internet e cerca de 60% delas acabam se tornando em compras concretizadas. Isso não passa despercebido pelo mercado imobiliário, que cada vez mais investe em estratégias para abocanhar uma parte dessas buscas. Por isso, é preciso inovar na maneira de fazê-lo.

Um tour virtual 360º seria bom? Sim, seria ótimo, mas dá para ir além. Impactar, por exemplo, o consumidor com um anúncio de um app da construtora/incorporadora que permita ao usuário escolher e montar o interior do apartamento, casa, sala, etc. para que ele tenha uma boa ideia de como ele pode deixar o imóvel com a cara que ele deseja é uma boa aposta. Ali também é possível concentrar outras opções e informações relacionadas ao imóvel e que são de interesse do comprador como: simulação de financiamento, outras opções de layout da planta e também de decoração, status das obras e, claro, a opção de falar com um consultor.

Integração offline + online

Integrar suas estratégias online e offline também é uma maneira de sair na frente e conseguir ainda mais compradores. O omnichannel é muito útil neste momento, pois oferece justamente o que o consumidor procura, independente do canal. O app que usuário baixou também pode ter a opção de rota para o local do empreendimento, caso ele queira visitar o canteiro de obras. Ou um alerta/anúncio que impacta o cliente justamente quando ele está por perto do empreendimento, ou do logradouro da construção, e possa o levar até lá justamente naquele micromomento.

Porém, talvez a cereja do bolo seja oferecer, através da realidade virtual, a oportunidade do potencial comprador visualizar a construção pronta no canteiro de obras sem que seja necessário visitar um imóvel decorado ou ver cartazes e renderizações espalhadas em outdoors pela cidade. Basta apontar a câmera do celular para o local da construção que o prédio aparecerá na tela e poderá ser recorrido e visto por todos os ângulos, justamente onde o consumidor quer vê-lo: no endereço onde será erguido.

Todas essas opções são armas imbatíveis para conquistar os clientes. Afinal, eles têm cada vez mais ferramentas para buscar e escolher o imóvel que querem comprar. O consumidor é cada vez mais “smart” e é hora do mercado imobiliário ser também. Oferecer o máximo de informações aliando realidade virtual e marketing digital vai de frente com esse perfil de consumidor, que está buscando:

Porcentagem dos consumidores

Fonte: Imobex.

Essas não são projeções malucas para o futuro. Tudo isso é possível já com a tecnologia que temos e há tempos já existem apps com essa propostas, porém a maioria deles voltados exclusivamente ao entretenimento. Uma estratégia como essa poderia ser o Pokémon Go para quem está caçando o imóvel perfeito.

Fazer isso, vai tornar o processo de vendas muito mais completo e simples. O lead chegará à equipe de vendas muito mais preparado e com muitas informações e perspectivas sobre o projeto, o que ajuda muito na hora de fechar o negócio, pois a venda não dependerá da tática do convencimento e sim da oferta das melhores opções ao cliente.

Segundo um estudo feito pela Estácio sobre o processo atual de compras de imóveis no Brasil, “atualmente os consumidores se conectam com as marcas por meios fundamentalmente novos, principalmente digitais, e isso foi observado no estudo. O meio é o principal responsável pelo fornecimento de informações – desde o primeiro contato – para os consumidores. Muitas vezes, ao chegarem ao stand de vendas, os compradores já estavam a par de muitos detalhes do imóvel, obtidos pela internet”. Por isso, as estratégias digitais devem ser desenvolvidas cada vez mais.

O mercado imobiliário ainda é humano

Claro que as visitas pessoais com consultores e corretores de imóveis não podem – nem devem – nunca serem substituídas. O que muda é que esse tipo de atendimento passa exclusivamente para o fundo do funil, onde terá uma eficiência muito maior, economizando recursos e tempo da equipe comercial.

Muita gente ainda deixa de comprar imóveis por se sentir pressionado pela necessidade de falar diretamente com um corretor para obter informações, especialmente porque isso sempre requer do consumidor mais do que ele está disposto a entregar naquele momento.

A Tesla, montadora de carros norte-americana, por exemplo, aboliu a venda através de concessionárias e aposta numa venda através de informações e opções de customização via site ou app. Assim, as vendas são feitas diretamente pelos canais digitais e com auxílio dos consultores se necessário, de maneira muito mais eficiente.

Claro que os corretores têm um papel importantíssimo na venda de imóveis, porém é possível deixar seu trabalho ainda mais eficiente oferecendo as ferramentas e os benefícios que a realidade virtual e o marketing digital podem trazer.

Hoje, tudo está na palma da mão. Por que não deixar também o lar dos nossos sonhos, a coisa mais importante da vida de tanta gente, à um toque de distância? O segredo para conquistar consumidores cada vez mais inteligentes e seletivos é oferecer justamente a facilidade e a simplicidade de encontrar o que eles querem, quando e como querem. O mercado imobiliário está de mudança, então não fique para trás.

Gostou do artigo? Você acha que a realidade virtual ajudaria também outros segmentos do mercado? Deixe nos comentários, queremos saber!