O Facebook anunciou, na quarta-feira (04/04), que realizará mudanças profundas em suas APIs do Facebook e Instagram, visando aumentar a segurança dos dados de seus usuários. As mudanças irão impactar diversos softwares e plataformas que dependem das redes sociais e foi publicada no newsroom oficial da plataforma.

Segundo mostra o comunicado, as principais mudanças se concentram nas informações que são possíveis acessar via API e também a forma com as quais é possível obtê-las. O Facebook afirma que as mudanças serão feitas imediatamente, mas também frisa que, de alguma maneira, eram mudanças esperadas para até o final de 2018.

O que muda nas APIs do Facebook/Instagram?

De cara, o Facebook irá desabilitar uma série de comportamentos e formas de captura de dados que eram possibilitados pela API da plataforma. Além das desabilitações imediatas, alguns dados também começarão a ser omitidos com o passar do tempo.

Capacidades desabilitadas

Softwares e outras aplicações não poderão mais:

  • Lista de seguidores: ter acesso à lista de seguidores dos usuários;
  • Relacionamentos: fazer com que o usuário siga ou deixe de seguir páginas e/ou usuários;
  • Comentários: postar ou deletar comentários do usuário em posts públicos;
  • Likes: fazer com que o usuário curta e/ou descurta publicações;
  • Subscriptions: receber ou enviar notificações quando algo novo é postado;
  • Informação do usuário: pesquisar e ter acesso às informações e conteúdos públicos do usuário;
  • Informação vinculada a hashtags e locais: não será mais possível acessar nome, biografia, comentários, seguidores, número de posts e fotos de perfil dos usuários ligados à estas publicações;

Dados que serão omitidos com o tempo

  • Conteúdo público: todas as capacidades de ler conteúdo público (incluindo mídia) começarão a ser omitidas até 11 de dezembro de 2018;
  • Profile: a capacidade de pegar informações públicas do perfil do próprio usuário permanecerá até o início de 2020.

De imediato, fica o alerta para quem utiliza softwares diretamente ligados às APIs do Facebook e Instagram. Alguns problemas podem surgir, desde instabilidades até a perda total das funcionalidades.

O Facebook e o caso Cambridge Analytica

Desde 2016, o Facebook tenta combater os diversos problemas que foram se desenvolvendo na plataforma, tendo mais destaque atualmente as notícias falsas e casos de mau uso de informações. No entanto, o caso da Cambridge Analytica parece ter abalado a infraestrutura multimilionária da rede social.

A rede está sendo acusada de disponibilizar ilicitamente os dados de milhões de usuários norte-americanos que tiverem resultado crucial na campanha do atual presidente americano, Donald Trump. Além disso, a Cambridge Analytica também está envolvida no resultado do Brexit, em 2016, que terminou com a saída do Reino Unido da União Européia. Além da controvérsia gerada pelo uso desses dados, também existe o agravante de as informações terem sido usadas para direcionar os anúncios com notícias falsas, manipulando a opinião pública em favor dos contratantes de seus serviços.

Após a divulgação da fraude, usuários e marcas passaram a repensar a transparência e segurança da plataforma. Até a campanha #DeleteFacebook foi criada para incentivar novos usuários a se desvincularem da mídia.

Essa redução não afeta apenas a empresa responsável pela plataforma. O impacto nas campanhas digitais é grande, já que o Facebook é um dos principais meios de veiculação de anúncios pagos e awareness. Atualmente, a plataforma é responsável por cerca de 30% de todos anúncios feitos na internet.

O que muda, na prática, para quem tem anúncios no Facebook?

Para quem já faz anúncios na plataforma, seja de forma internalizada ou através de agências, pouco muda na prática. Um impacto inicial foi sentido no alcance e impressões no auge do escândalo, mas o comportamento já se normalizou.

Se quiser entender um pouco mais sobre as estratégias de Facebook Ads, confira no vídeo a estruturação das campanhas na plataforma e como atuar estrategicamente nela:

Introdução ao Facebook Ads

Aproveite também para conferir o conteúdo completo e baixar os materiais utilizados no vídeo, é totalmente gratuito.

Confira o anúncio do Facebook na íntegra: