Entre as tecnologias para o futuro, as que certamente me chamam mais a atenção são a da Realidade Virtual e da Realidade Aumentada. Nos últimos 3 anos vimos uma evolução exponencial dessas tecnologias.

Existem inúmeros players com abordagens diferentes tentando fazer da realidade virtual algo indistinguível da realidade “material”. Elon Musk, CEO da Telsa e da Space X, um dos mais respeitados empreendedores do mundo atualmente, chegou a afirmar que “se assumirmos qualquer taxa de melhoria, então os jogos se tornarão indistinguíveis da realidade”.

Se considerarmos que Elon Musk está certo e que a taxa de melhoria não tende a cair, estamos diante de uma série de revoluções que esse tipo de tecnologia poderá nos trazer. Inicialmente, tendemos a identificar impactos somente em áreas extremamente próximas da Realidade Virtual. Ou seja: melhoria nos jogos, experiências com filmes, novas formas de conhecer espaços como museus, estádios, etc.

Mas as evoluções podem ir muito além disso. Um caso que chamou atenção recentemente foram estudos mostrando paraplégicos reaprendendo a andar através do uso da realidade virtual. Outro caso que chamou a atenção foi o uso de um cardboard para salvar a vida de uma criança.

Isso já está ocorrendo hoje. Se projetarmos para o futuro, podemos pensar no impacto no dia a dia das pessoas com informações relevantes sobre lugares, eventos, pessoas, entre outros. Você poderia deixar de fazer uma viagem para participar virtualmente de algum evento, poderia trabalhar quase 100% do tempo em casa e se reunir com as outras pessoas através da realidade virtual, entre inúmeros outros. Existem também, em desenvolvimento para uso conjunto com a realidade virtual, roupas táteis  que tornariam as experiências ainda mais incríveis e tangíveis para o intelecto humano.

Outras aplicações que já vemos agora também serão muito melhoradas. Jogos com qualidade e precisão incríveis, filmes imersivos em ambientes de 360 graus, simulações de parques de diversões, museus, e outros espaços, interações reais entre com guias “how-to” facilitando o aprendizado de uma série de tarefas difíceis de se aprender anteriormente.

E obviamente, a VR abre um espaço para a evolução da educação de maneira nunca antes vista. Se substituirmos a experiência de uma aula comum e presencial de hoje, por um dispositivo que permitisse milhares de pessoas participarem de aulas, cursos, treinamentos, com muito maior profundidade, sem a necessidade de saírem de suas casas ou até mesmo das futuras salas de aula, teremos mais uma das inúmeras revoluções.

Claro que existem muitas limitações apresentadas pela tecnologia hoje que tornam difícil de imaginar que chegaremos muito rápido aos patamares citados acima. As tecnologias atuais são, em sua grande maioria, formadas por grandes dispositivos (óculos) que dificilmente conseguiríamos usar por muito tempo; há um problema ainda grande com o enjoo pelo uso da realidade virtual; temos inúmeras limitações com baterias, entre vários outros aspectos.

Independente das limitações que encontramos agora, é inegável a importância que essa tecnologia terá no futuro. Vimos um lampejo disso com a explosão do Pokemón Go em muito pouco tempo e os impactos sociais que ele causou. Ficam ainda inúmeras dúvidas de como será o futuro com essas tecnologias.

Por fim, para tentarmos visualizar na “prática” como será a vida no futuro com essas novas tecnologias, o curta Uncanny Valley ganhou muita repercussão por projetar um futuro um tanto apocalíptico dessas tecnologias. De qualquer forma, vale muito a pena dar uma olhada.