Antigamente, os banners publicitários eram os únicos métodos para anunciar na internet. Com o tempo, foram surgindo alternativas mais interessantes, capazes de mostrar os produtos para mais gente em contextos inéditos.

Hoje em dia, contamos com diversas “vitrines” possíveis, indo desde posts patrocinados em redes sociais até links em destaque entre os resultados do Google.

Aliás, é no maior buscador do mundo que se encontra outra oportunidade de exibir seus produtos de maneira inovadora para chamar a atenção de potenciais clientes: o Google Shopping.

Por meio dele, o seu e-commerce pode exibir seus produtos em destaque, conseguindo atrair a atenção de quem busca por termos relacionados a ele.

Ao trabalhar com o Google Shopping, você vai aproveitar um aumento substancial nas conversões do seu e-commerce, além de um ganho de visibilidade que vai fortalecer a sua marca. Para ter bons resultados, porém, é necessário implementar uma estratégia de qualidade.

Veja mais sobre o tema em nosso post de hoje!

Vale a pena usar o Google Shopping?

O Google Shopping é parte integrante do Google AdWords, a plataforma de publicidade do Google. Capaz de oferecer excelentes resultados às empresas que buscam impulsionar seu marketing com inteligência, esse sistema usa algoritmos sofisticados para exibir anúncios para as pessoas certas no momento adequado.

Assim como existem múltiplos tipos de conteúdo na web, também são vários os formatos de publicidade disponíveis atualmente. Em vez de precisar escolher, você pode implementar todos os que achar que se encaixam na sua estratégia.

Exibir as suas ofertas no Google Shopping significa contar com uma via inédita de negócios que pode alavancar suas vendas consideravelmente. O buscador faz parte da vida online da maioria das pessoas e isso inclui muitas buscas por produtos de forma específica ou genérica. Em ambos os casos, o seu potencial de sucesso é alto.

Como usar o Google Shopping para aumentar as vendas?

Para usar o Google Shopping, você precisa se cadastrar no Google Merchant Center, a plataforma de onde o sistema irá puxar as informações da sua loja. Lá, você deve inserir os seus produtos e enviar todos os dados importantes sobre eles. Tudo é feito de forma bastante produtiva, por meio de uma planilha.

O Google Shopping é diferente do Google AdWords em um ponto crucial: nele, você não configura palavras-chave para impactar o público com publicidade. É o próprio algoritmo do buscador que examina as informações dos produtos cadastrados por você e os exibe conforme for relevante.

Para obter bons resultados de vendas com o Google Shopping, certifique-se de examinar os dados das suas campanhas cuidadosamente. Se elas não estão gerando o retorno esperado, é preciso começar a fazer ajustes.

Por isso, listamos abaixo algumas atitudes que podem te ajudar a performar melhor no Google Shopping, desde o início das campanhas até a otimização dos anúncios que já estão rodando. Vamos lá?

1. Escolha boas palavras-chave

Eu sei, há pouco dissemos que as palavras-chaves não podem ser indicadas no Google Shopping – e não podem mesmo. Porém, isso não quer dizer que você deve abandoná-las.

Uma boa pesquisa de palavras-chave capazes de elucidar a intenção de compra de sua persona é essencial no processo. Isso porque você poderá utilizá-las no título e descrição de seu anúncio. O trabalho de relacionar os termos buscados com o seu produto será da ferramenta e, se seu anúncio contém as palavras-chave buscadas (seja no título ou na descrição), suas chances de aparecer bem na pesquisa são muito grandes.

Por isso, é hora de confiar nos dados. Eu sei que a análise dos dados pode ser maçante na maioria das vezes, mas não há prática melhor se você quer alcançar bons resultados. O segredo é confiar nos dados.

Se sua empresa já trabalha com o Adwords, peça a seu time relatórios capazes de traçar os hábitos de pesquisa e compra dos seus consumidores por palavra-chave. Esse tipo de dado pode ajudar e muito nos seus anúncios do Shopping.

Mas atenção: aqui a regra é praticamente a mesma do SEO. Não adianta fazer keyword stuffing, você será penalizado por isso. Utilize as palavras-chave com naturalidade.

2. Capriche no título

Caprichar no título aqui não é apenas criar um título descritivo e atraente o bastante para garantir o clique. Sabe as palavras-chave do tópico anterior? Então, elas têm um peso maior quando utilizadas no início do título. Portanto, leve isso em consideração. Seu título deve ser capaz de:

  • Descrever, de maneira sucinta e direta, o produto;
  • Atrair ou gerar o impulso para o clique (se seu produto é único, tiragem limitada, etc. aproveite-se disso para mostrar que sua oferta é especial);
  • Se diferenciar da concorrência, mesmo que os produtos sejam os mesmos.

Uma dica importante é saber o que mais importa para sua persona na hora de buscar um produto. É a marca? O tamanho? A coleção? Defina a importância de cada um desses aspectos para seu cliente. Se para ele for mais importante a marca do produto, tente deixá-la logo no início do título, isso vai fazer seu anúncio saltar à frente da concorrência.

Considere também os principais atributos do seu produto e como eles serão preenchidos. Isso é importante pois, depois que suas campanhas começarem a rolar, você será capaz de observar quais termos de pesquisa estão disparando seu anúncio. Assim, você terá insights importantes sobre como melhorar seu anúncio e ajustá-lo para palavras-chave que façam mais sentido para seu cliente, aumentando a taxa de conversão.

3. Dê muita atenção às imagens

O Google é bastante rígido quando se trata das imagens utilizadas no Shopping. E não sem razão: a plataforma é uma vitrine de produtos disponibilizada pela empresa, não um outdoor para anunciar sua loja.

Portanto, imagens com o logo do seu e-commerce, por exemplo, serão sumariamente rejeitadas. Não adianta insistir, o máximo que você conseguirá com isso é uma penalização.

Assim, escolha imagens em que o produto esteja bem visível. Capriche no ângulo, teste os diferentes dispositivos onde ela poderá ser exibida (desktops, tablets, smartphones, etc.). Tudo isso vai garantir que você apareça bem nos resultados de pesquisa e, claro, receba mais cliques e conversões.

4. Faça boas descrições

Você não precisa incorporar o Camões para criar as descrições de produtos no Shopping. A chave é ser breve e certeiro, nada de descrições longas com dados irrelevantes para a grande maioria dos usuários.

Utilize seu título como base. Tente aproveitar as palavras-chave utilizadas no título em sua descrição, de forma ordenada e natural. Adicione à descrição apenas aqueles dados mais importantes e diferenciais do produto.

Pense que, apesar de virtual, o Google Shopping ainda é uma vitrine. E ninguém quer parar em frente à vitrine de uma loja para ler o manual do produto, não. Os consumidores querem dados diretos e essenciais.

5. Faça bids com sabedoria

Para se dar bem no shopping, também é preciso ter em mente o preço, o lucro e o potencial que estão agregados ao seu produto. Uma boa estratégia de bid é o que vai determinar a eficácia do Shopping em sua estratégia de marketing digital. Por isso, leve em conta as seguintes variáveis na hora de decidir:

Preço

Qual é o preço do item que você irá anunciar? Por exemplo, se seu produto custar R$10 não vai adiantar nada começar com um bid de R$5. Isso porque, se o produto precisar de mais de 2 cliques para obter a conversão (e com certeza ele irá precisar), você está entrando num grande problema.

Lucro

Considere sua margem de lucro para diferentes tipos ou categorias de produtos. Você não deve fazer o mesmo bid para produtos de R$50 e R$100, por exemplo. A menos que o primeiro produto tenha uma margem de 50% e o segundo de 25%, você não terá o mesmo retorno e poderá até mesmo não ter retorno nenhum.

Isso também vale para produtos em que o peso da marca é muito importante, mas, ao mesmo tempo, essa marca tem diferentes produtos com diferentes preços em sua loja. Pense bem antes de fazer o bid.

Potencial

Considere o potencial do produto. O potencial será o que vai definir se você pode – ou deve – bidar mais agressivamente. Se você estiver lançando um novo produto, por exemplo, e precisa que ele apareça nos resultados de pesquisas mais amplas, faz todo o sentido fazer um bid desconsiderando o preço e o lucro.

Bidar mais alto em produtos que tenham um Lifetime Value (LV) maior também pode fazer sentido para sua estratégia. Portanto, defina bem seus objetivos antes de começar suas campanhas.

Boas vendas!

Ao incluir o Google Shopping na estratégia da sua loja virtual, você vai passar a contar com excelentes resultados em conversões e tráfego, já que aumentará a visibilidade online de sua empresa.

Trata-se de uma nova “vitrine” para os seus produtos que aparece somente quando o contexto pede, portanto, fica visível unicamente para quem está disposto a comprar.

Gostou das possibilidades do Google Shopping? Conte para a gente nos comentários quais características dele você prefere aproveitar!